espelhos




Escrito por bruxa aprendiz às 22h08
[   ] [ envie esta mensagem ]




 
GAIA CIÊNCIA
 
Plutão foi cassado pela IAU:
pequeno demais
para ser planeta do Sistema.
 
Consternação no espaço sideral.
 
Júpiter, no entanto, avisa em voz serena:
- Vamos marcar uma conjuntura astral
para o próximo ano
e discutir a estatura moral
que define um "ser humano".
 
Marisa


Escrito por bruxa aprendiz às 10h40
[   ] [ envie esta mensagem ]




 
Meu pensamento vaga solto
como a fumaça do incenso
soprada pelo vento.
À luz das velas
minha alma tonta
espia
a noite vazia.
Sírius ausente,
além do horizonte,
cintila como jóia preciosa
sobre águas desconhecidas.
Caminho entre sombras silenciosas.
Uma tristeza cálida
e doída
me invade:
saudade.
 
Marisa


Escrito por bruxa aprendiz às 18h09
[   ] [ envie esta mensagem ]




AMOR RITUAL
 
Que haja sempre magia em nosso amor:
que nosso quarto seja sempre,
e onde for, um templo
e nosso encontro um ritual.
Que nossos beijos sejam sempre
apaixonados
e o calor do desejo em nossos corpos
tão sagrado
quanto o fogo que alimenta nossas vidas
fundidas na emoção.
Que o teu olhar reflita eternamente
a luz do meu olhar
e em meu coração ecoe para sempre
o teu pulsar.
Que sempre, depois de consumado o rito
e entrelaçados trocamos carinhos
com calma,
sejam os nossos braços aconchegante ninho
onde repousam, felizes,
as nossas almas.
(Marisa)


Escrito por bruxa aprendiz às 19h54
[   ] [ envie esta mensagem ]




 
Exorcismo
 
Quero meter a mão
no balaio do "eu"
e arrancar uma a uma
as cascas emboloradas
da minha cebola/ser,
me desfazer
dos círios e profetas
das verdades dos filósofos,
da perfeição da mandala,
da magia
da poesia (casca suculenta, lenta...)
e do poeta;
quero atirar meu credo
na lata do lixo
e do amor (produto perecível)
fazer adubo orgânico;
despetalar a identidade humana
e, em seguida,
cuspir na rua,
pisotear a grama,
xingar a mãe do outro
e dar banana.
Cansei de ser certinha.
 
Marisa


Escrito por bruxa aprendiz às 10h26
[   ] [ envie esta mensagem ]




 
MISS CENTOPÉIA
 
(para Iure)
 
Salvei Miss Centopéia
de um naufrágio, no último
dia primeiro de abril.
Enquanto se restabelecia
do acidente,
enrolada pra descanso,
revelou-me ser cliente
da Maison Formi Gannel,
que lhe desenha,  com exclusividade,
calças-bermudas e saias-biquínis
conjugados num só modelo
- o que é muito prático,
pois é de temperamento versátil
e gosta de estar bem vestida
pra qualquer ocasião.
(No momento do naufrágio
usava short branco, saia justa verde
e discreta pantalona preta,
porque pretendia caminhar na orla,
 e ir a uma festa
após o enterro da minhoca
que morreu dilacerada
pelo bico da galinha carijó.)
Falou que Formi Gannel
compõe, com elegância,
mangas curtas, longas,
alças, frentes-únicas
e túnicas transparentes
numa só peça
- chique à beça -
de caimento perfeito,
além de cinturas altas, baixas
ou só marcadas.
Deixei a centopéia descansando
sossegada e saí
encabulada com a pergunta
que me ocorreu em pensamento:
- quem lhe desenha os complementos?
 
Marisa
 
 


Escrito por bruxa aprendiz às 20h26
[   ] [ envie esta mensagem ]




 
Não sei desenhar
 
Eu estava com  6 anos e fazia o primeiro ano do curso primário. Já sabia ler e escrever um pouco e aquele dia seria especial. Teríamos aula de desenho e eu ia usar a caixa de lápis de cor e o caderno sem pautas, próprio para desenho, com aquelas entrefolhas de papel de seda que eu tanto admirava.
Depois do recreio a professora distribuiu os cadernos encapados em vermelho com as etiquetas de identificação. Começava o ritual mágico. Em seguida ela proferiu as palavras que abriam o portal da imaginação: "desenhem o que quiserem, mas usem a página toda."
Eu desenhei. Primeiro uma árvore, com um tronco reto e uma copa redonda bem grande. Ao lado dela, outra árvore igualmente copada. Da copa da primeira saía uma guirlanda de flores que fazia uma curva até quase o chão e depois se elevava até à copa da segunda árvore. Olhei o desenho. Estava bonito, mas a página não estava completa. Havia um vazio no meio. Desenhei um gato (de costas) sobre a guirlanda. Olhei de novo: perfeito! O gato se balançava num balanço de flores.
A professora passou entre as carteiras, avaliando os desenhos e dando as notas. Quando chegou na minha carteira disse: "gatos não usam balanços". E me deu uma nota 5. Disfarcei o choro. Parei de desenhar. Meus amigos mais habilidosos passaram a fazer meus cadernos de desenho. Em troca, eu fazia as redações deles.
Adulta, conheci Jorginho num evento em São Paulo. Artista plástico. Maranhense, morando em Goiânia. Trocamos telefones e endereços. Ainda não estavámos na rede e o correio tradicional era eficiente.
Ele telefonou: "estou fazendo uma carta para você". Fazendo! Eu escrevia cartas.
Aquele dia resolvi desenhar uma carta. E refiz o desenho do primeiro ano. Enviei para o Jorginho, mas a legenda foi dedicada à professora:
"Prezada dona Diva,
talvez seus gatos não usem balanços, mas os meus tem mais imaginação que os seus.
Abraços,
Marisa"


Escrito por bruxa aprendiz às 19h14
[   ] [ envie esta mensagem ]




Marisa em janeiro de 2006.

 

Decidi transformar este blog em um memorial. Já estou para lá da metade da vida e acho que vale a pena escrever sobre coisas guardadas nos lugares privilegiados da memória.

Antes de tudo, quero agradecer a Deus pelo dom da vida; por fazer parte deste Universo criado tanto para amebas quanto para estrelas; por fazer parte da humanidade, uma espécie animal dotada de raciocínio, de sons articulados em forma de palavras, de pensamentos ordenados que permitem recordar o passado e projetar o futuro: espécie única, situada entre os animais e os anjos e, cujas mãos, tão pródigas em gestos, oscilam ainda entre o cacho de banana e as estrelas. Dia virá, em que as estrelas serão mais desejáveis que as bananas.

Nascida assim, do amor projetado pela Luz Divina, coube-me o privilégio de ser uma das filhas de seu Valentim e dona Maria Irene, um casal feito de generosidade. Foram os pais que eu precisava e aos quais agradeço cada minuto da convivência que tivemos.

Também agradeço aos irmãos que vieram compartilhar a vida comigo: Marilda, Mayda, Maria Célia, Neusa , Ângela , Sílvia, Adalgisa, Cláudio, Paulo e José Luís. Posso resumir o que penso deles, relembrando a fala do nosso pai quando nos reuníamos todos à mesa para o almoço: “que linda família eu tenho!”



Escrito por bruxa aprendiz às 10h32
[   ] [ envie esta mensagem ]




Cheiro de primavera:

o novo ovo gesta

a esperança de vôo.

Marisa



Escrito por bruxa aprendiz às 10h50
[   ] [ envie esta mensagem ]




Por motivos estritamente pessoais deixarei de blogar por tempo indetermindado.



Escrito por bruxa aprendiz às 21h04
[   ] [ envie esta mensagem ]




COISAS DE CRIANÇA

No quadro negro o apagador

engoliu os sinais de giz na pedra.

Lágrimas furtivas:

pensava que as palavras eram eternas.

Marisa.



Escrito por bruxa aprendiz às 21h51
[   ] [ envie esta mensagem ]




Assim... assim...

vem uma uma leve tristeza...

sinto saudade de mim...

Marisa.



Escrito por bruxa aprendiz às 16h43
[   ] [ envie esta mensagem ]




 
 
Quero falar de poesia,
quero dizer bom dia,
jogar uma flor no ar,
vasculhar minha gaveta,
fazer malas, viajar...
Quero me olhar no espelho,
riscar com batom vermelho
rosto, pulsos e joelhos,
e ir pro mato guerrear;
Quero transpor fronteiras,
quero arriar bandeiras,
quero quebrar barreiras...
Quero chorar nas nascentes,
nas margens no sol poente
beber litros de beleza,
vestir o branco da pureza
e ir... sem ter que voltar...
Mas, onde começa o horizonte?
Numa esquina, numa ponte,
num amor que já morreu?
Já nem lembro dos espaços,
pois meus passos de compasso
giram a ciranda louca,
fazem círculos, traçam sulcos
e não saem do lugar.
 
Marisa.
 
 


Escrito por bruxa aprendiz às 11h24
[   ] [ envie esta mensagem ]




DE RERUM NATURA

Alheios ao destino
dos mortais
 

além das nuvens
claras e sombrias

vivem os deuses
raros nas alturas

livres de enganos
dores nostalgias

da morte vil
que aos poucos nos invade;

da chuva de átomos
em que se evade

indefinidamente
a natureza

em sua eterna
mas avara empresa

de reunir 
os átomos-enxame

seguindo a força rude
do cliname,

compostos provisórios

que se desfazem
noutros repertórios:

estrelas, águas
nuvens, tempestades,

cristais, abelhas,
glórias ou cidades,

e flores, pedras
corpos, consciências 

– figuram
como pálida aparência ...

e acima desse
mundo sempre em guerra

acima
da miragem dessa terra

repousam
esquecidos nos meatos

mais livres
os celestes, mais beatos

       [ Marco Lucchesi in: Poemas reunidos]



Escrito por bruxa aprendiz às 10h03
[   ] [ envie esta mensagem ]




 
FIM DE JOGO
 
Sem conhecer as regras do jogo,
arrisquei.
Perdi a partida.
 
Marisa


Escrito por bruxa aprendiz às 12h46
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
  05/10/2008 a 11/10/2008
  20/08/2006 a 26/08/2006
  13/08/2006 a 19/08/2006
  30/07/2006 a 05/08/2006
  16/07/2006 a 22/07/2006
  27/11/2005 a 03/12/2005
  04/09/2005 a 10/09/2005
  17/07/2005 a 23/07/2005
  03/07/2005 a 09/07/2005
  26/06/2005 a 02/07/2005
  19/06/2005 a 25/06/2005
  12/06/2005 a 18/06/2005
  05/06/2005 a 11/06/2005
  29/05/2005 a 04/06/2005
  22/05/2005 a 28/05/2005
  17/04/2005 a 23/04/2005
  06/03/2005 a 12/03/2005
  13/02/2005 a 19/02/2005
  06/02/2005 a 12/02/2005
  23/01/2005 a 29/01/2005
  16/01/2005 a 22/01/2005
  26/12/2004 a 01/01/2005
  12/12/2004 a 18/12/2004
  05/12/2004 a 11/12/2004
  31/10/2004 a 06/11/2004
  24/10/2004 a 30/10/2004
  05/09/2004 a 11/09/2004
  08/08/2004 a 14/08/2004
  01/08/2004 a 07/08/2004
  25/07/2004 a 31/07/2004
  18/07/2004 a 24/07/2004
  27/06/2004 a 03/07/2004
  20/06/2004 a 26/06/2004
  13/06/2004 a 19/06/2004
  23/05/2004 a 29/05/2004
  09/05/2004 a 15/05/2004
  02/05/2004 a 08/05/2004
  25/04/2004 a 01/05/2004
  18/04/2004 a 24/04/2004
  11/04/2004 a 17/04/2004
  04/04/2004 a 10/04/2004
  28/03/2004 a 03/04/2004
  21/03/2004 a 27/03/2004
  14/03/2004 a 20/03/2004
  29/02/2004 a 06/03/2004
  22/02/2004 a 28/02/2004
  15/02/2004 a 21/02/2004
  08/02/2004 a 14/02/2004


Outros sites
  UOL
  Versículos do Homem
  Rasuras sobreviventes
  Fado Corrido
  Declinações de Rosa
  Maricell
  Coelho - livros
  A Arte da Palavra
  Plannet 2000
  Página da Nena
  Sítio do Caipira
  Eu Sei Escrever
Votação
  Dê uma nota para meu blog